Temporal






Vem do silêncio

um galope distante.




Um vento afoito

estala no ar

o chicote de relâmpagos,




chama à frente

o trovão do berrante:




mil bois

com os cascos molhados


atravessam a noite

pisando os telhados.

3 comentários:

www.guidoheleno.wordpress.com disse...

Expressivo, harmonizando a força da mensagem com a leveza poética das palavras.
Parabéns, amigo!

Vicente Santos disse...

Beleza de poema, Wilson!

Vicente Santos disse...

Beleza de poema, Wilson!